A menina que trabalha lá em casa, A secretária ou O problema das pessoas com o título “empregada doméstica”.

 

Das coisas interessantes que me aconteceram como vendedora, uma delas foi o pedido de uma senhora.

  • Ei, menina, você trabalha aqui?
  • ahã.
  • Ahh, então me ajude a encontrar uma blusa bem horrorosa, bem brega.
  • Hã?
  • É, uma bem horrível. Sabe, é um presente para a minha secretária.
  • Sua secretária?
  • É, a menina que trabalha lá em casa. Ela tem um péssimo gosto, tudo que é horrível ela gosta, e as coisas que eu gosto ela acha horrível. Daí me mostre uma coisa que eu vá odiar, que com certeza ela vai adorar.
  • Hummm, faz todo sentido. Bem, vejamos, tem essa amarela aqui, com esse babado horrível, blá blá blá

 

O final dessa história verídica não importa, o fato é, algumas pessoas não gostam de denominar suas empregadas de empregadas. Secretária. Como assim secretária? Bem, de fato elas exercem funções de secretária, atendem telefone, são muitas vezes administradoras, mas cadê a saínha com blazer? Como o cafezinho se transformou em almoço? E por aí vai. Pior é “a menina que trabalha lá em casa”. É um termo que eu sempre uso. E é totalmente inadequado, visto que ela está mais para a terceira idade do que para a mocidade. Mas ela não gosta que eu me refira a ela como empregada. Empregado é quem está trabalhando, certo? Se ela trabalha em um ambiente doméstico, é uma empregada doméstica. Assim como minha mãe é uma empregada, meu pai, eu, meu tio etc. Mas não, ela se ofende. Já tivemos uma discussão filosófica sobre isso. Mas dona Maria, eu disse, então quando alguém pergunta o que você faz da vida, o que você responde? Respondo que eu trabalho em casa de família, ora. Enfim. Vai entender.

Doméstica 

Foi trabalhar
Recomendada prá dois gringos
Logo assim
Que chegou do interior
Era um casal
Tipo metido a granfino
Mas o salário
Era tipo, um horror…

A tal da madame, tinha mania
Esquisitona de bater
E baixava a porrada
Quando a coisa tava errada
Não queria nem saber…

Doméstica!
Ela era
Doméstica!
Sem carteira assinada
Só caía em cilada
Era empregada
Doméstica!…

Nunca notou
A quantidade de giletes
Não reparou
A mesa espelhada no salão
Não perguntou
O quê que era um papelote
Baixou “os home”
Ela entrou no camburão…

Na delegacia
Sua patroa americana ameaçou:
“Lembra que eu sou
Uma milionária,
Eu fungava, de gripada
Não seja otária, por favor”…

Doméstica!
Traficante disfarçada
De doméstica
Era manchete nos jornais
O casal lhe deu prá trás
Sujando brabo prá doméstica…

No presídio aprendeu
Com as companheiras
A ser dar bem
A descolar, como ninguém
Ficou famosa
No ambiente carcerário
Com a mulata
Que nasceu prá ser alguém…

Pois não é que a
Doméstica!
Conseguiu uma prisão, doméstica
Saiu por bom comportamento
Mas jurou nesse momento
Vingar a raça das domésticas…

Então alguém
Lhe aconselhou logo de cara
“Dá um passeio
Vê se arranja um barão”
Porque melhor
Que o interior ou que uma cela
É ter turista e faturar
No calçadão…

Até que um dia
Um Mercedinho prateado buzinou
Era um louro alemão
Que lhe abriu a porta do carro
E lhe tacou um bofetão…

Doméstica!
Virou uma baronesa
Doméstica!
Mesmo com as taras do barão
Segurou a situação
Levando uma vida doméstica….

Realizada em sua mansão
Em Stutgard
Ouvindo Mozart de Beethoven de montão
Com um pivete
Mulatinho pela casa
Que era herdeiro
De olho azul como o barão…

Precisou de uma babá
Botou um anúncio
Bilíngüe no jornal
Seu mordomo abriu a porta
Uma loira meio brega
Uma yankee de quintal…

Doméstica!
Era a americana, de doméstica
A nêga deu uma gargalhada
Disse:
“Agora tô vingada
Tu vai ser minha
Doméstica”! …(2x)

Anúncios

1 Response so far »

  1. 1

    Totó said,

    Sei lá, também já pensei nisso. É como se elas próprias denegrissem o trabalho delas.
    Está certo que deve ser meio constrangedor esse tipo de trabalho… mas todo trabalho é digno (vide as prostitutas ou mulheres da vida ou putas ou meretrizes ou…)!

    É aquele velho problema tosco com as palavras. É como se as palavras, além do significado o denotativo e conotativo, tivessem um significado cultural e histórico. Daí o fato de você chamar alguem de preto soa preconceituoso; e uma empregada doméstica de empregada doméstica, faz parecer que a profissão dela é menos do que é. Me fiz claro?

    Acho que é mesmo pura questão cultural. Mesmo eu não concordando com isso… e tentando lutar bravamente todos os dias com esses tipos disfarçados de preconceitos.

    Enfim. Vai entender.


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: